________________________________________

Senti necessidade de me expressar de outra forma que não através da música e da fotografia, antigas paixões. E foi uma surpresa quando vi que a matéria-prima com que trabalho há tanto tempo, a linguagem, poderia me dar a tábua de salvação expressiva de que eu tanto precisava e que tem me ajudado muito nos meus melhores e piores momentos, a poesia.

Vou listar aqui algumas dessas minhas tentativas de escrever poemas, cronologicamente. Todos os textos são de minha autoria. Mas como até meu romantismo é extremo, você não encontrará aqui poemas românticos nem melosos. São mais humanistas e existenciais, e como tudo ligado à existência, podem, eventualmente, demonstrar algum peso e pessimismo. Não tenho pretensão outra a não ser expressar minhas dores, loucuras, alegrias, dúvidas, angústias, revoltas e outros sentimentos que moram em mim.

Claudia Pinelli Baraúna Rêgo Fernandes®

Follow ClaudiaPinelli on Twitter



"Se eu ler algo e ele fizer meu corpo inteiro gelar, de uma forma que não haja fogo que possa me aquecer, eu sei que se trata de Poesia."



Emily Dickinson

sábado, 30 de junho de 2007

Morte às avessas

A morte apareceu em minha frente
Coberta por um véu de luz
Tão viva, tão sorridente

Mas como aquilo podia ser verdade?
A morte ainda estava viva
E bem jovem para a idade

Olhei para ela imóvel, assombrada
Afinal era tão espantoso
Só podia ser uma piada

Mas percebi que tudo ali era real
A luz, o sorriso, o véu
E ainda havia um coral

Indaguei curiosa se era sempre assim
A morte me olhou surpresa
e sussurrou algo em Latim

Tremi de medo quando enfim entendi
Ela encomendou a minha alma
e comprou o que eu nem vendi

Quando concatenei de fato as idéias
Resolvi baixar minha guarda
E aceitar futuras odisseias

Para falar a verdade, fiquei jururu
Não com minha morte em si
Mas com a falta de glamour

Queria sombras, a foice, véu escuro
Aquela voz grave, gutural
Todo aquele clima obscuro

E acabei sendo morta por essa senhora
Tão serelepe e iluminada
Sem graça e fora de hora

Ontem eu caminhava solitária pela rua
Hoje estou morta e frustrada
Mas com moradia fixa na lua.


Claudia Fernandes


30 de junho de 2007
Related Posts with Thumbnails