________________________________________

Senti necessidade de me expressar de outra forma que não através da música e da fotografia, antigas paixões. E foi uma surpresa quando vi que a matéria-prima com que trabalho há tanto tempo, a linguagem, poderia me dar a tábua de salvação expressiva de que eu tanto precisava e que tem me ajudado muito nos meus melhores e piores momentos, a poesia.

Vou listar aqui algumas dessas minhas tentativas de escrever poemas, cronologicamente. Todos os textos são de minha autoria. Mas como até meu romantismo é extremo, você não encontrará aqui poemas românticos nem melosos. São mais humanistas e existenciais, e como tudo ligado à existência, podem, eventualmente, demonstrar algum peso e pessimismo. Não tenho pretensão outra a não ser expressar minhas dores, loucuras, alegrias, dúvidas, angústias, revoltas e outros sentimentos que moram em mim.

Claudia Pinelli Baraúna Rêgo Fernandes®

Follow ClaudiaPinelli on Twitter



"Se eu ler algo e ele fizer meu corpo inteiro gelar, de uma forma que não haja fogo que possa me aquecer, eu sei que se trata de Poesia."



Emily Dickinson

segunda-feira, 4 de junho de 2007

Vivo ou Morto?

Hoje, ele estava com uma dúvida
Ele não sabia para onde ir
Não queria ficar em casa
Só precisava dali sair
Ah, como queria ter asa
Para então voar e fugir

Resolveu sair assim mesmo
Enfiou a chave na fechadura,
Girou, abriu a porta e partiu sem destino
E mesmo sem ter uma elegante postura
Fez pose com o chapéu como um grã-fino
Esquecendo de toda a sua amargura

Ele parou no hall da entrada
A dúvida ainda lá permanecia
Seguir em frente, à direita ou à esquerda?
Enquanto pensava, a confusão crescia
Ponderou qual o ganho, qual a perda
O que aconteceria nesse estranho dia?

Ele precisava ir para algum lugar
Sentia essa enorme necessidade
Ficar em casa seria um tormento
Mas de onde vinha tanta ansiedade?
Qual era o seu maior alimento?
Como resolver tal incapacidade?

Apesar de pensar bastante
Ele não encontrou algum motivo
Para tanta dúvida e confusão
E viu que apesar de estar vivo
Vivia cercado de vazio e aflição
E desses sentimentos acabou cativo

Ele parou, respirou e olhou para o céu
Admirou a beleza de um lindo broto
Sentiu a ebulição de seus hormônios
Abriu a porta com um sorriso maroto
Voltou para casa, para seus demônios
Pode não estar vivo, mas não está morto.


Claudia Fernandes




04 de junho de 2007
Related Posts with Thumbnails