________________________________________

Senti necessidade de me expressar de outra forma que não através da música e da fotografia, antigas paixões. E foi uma surpresa quando vi que a matéria-prima com que trabalho há tanto tempo, a linguagem, poderia me dar a tábua de salvação expressiva de que eu tanto precisava e que tem me ajudado muito nos meus melhores e piores momentos, a poesia.

Vou listar aqui algumas dessas minhas tentativas de escrever poemas, cronologicamente. Todos os textos são de minha autoria. Mas como até meu romantismo é extremo, você não encontrará aqui poemas românticos nem melosos. São mais humanistas e existenciais, e como tudo ligado à existência, podem, eventualmente, demonstrar algum peso e pessimismo. Não tenho pretensão outra a não ser expressar minhas dores, loucuras, alegrias, dúvidas, angústias, revoltas e outros sentimentos que moram em mim.

Claudia Pinelli Baraúna Rêgo Fernandes®

Follow ClaudiaPinelli on Twitter



"Se eu ler algo e ele fizer meu corpo inteiro gelar, de uma forma que não haja fogo que possa me aquecer, eu sei que se trata de Poesia."



Emily Dickinson

quinta-feira, 7 de junho de 2007

O Dia D.

A timidez era um traço daquele rapaz
Olhava para ela como se fosse pecado
Contudo esperava que ele fosse capaz
De chegar mais perto, ser mais ousado

Numa noite de maio, ela foi a uma festa
Que bela surpresa, ele também estava lá
Olhares insinuantes, na pista uma seresta
Tensão, e ele evitando na mão dela tocar

Ela se perguntava o que estava ali fazendo
Odiava seresta ou outro ritmo semelhante
O que ela queria viver, não estava vivendo
Mas o caso tinha tudo para ser interessante

Conversaram e durante essa festa, ela intuiu
Ter encontrado sua tão esperada alma gêmea
Eles mostravam muito em comum, ele aduziu
E claro que o macho tinha farejado sua fêmea

O tempo, bem gozador, cada vez mais lento
Brincava e essa espera parecia já se eternizar
Depois de um instante interminável, o vento
Resolveu com uns empurrões o casal ajudar

De repente, ela que estava distraída, sentiu
O calor da mão dele tocando a sua de leve
A boca ficou seca, fez no estômago um frio
A sensação era uma mistura de sol com neve

Finalmente, após o toque das mãos inicial
O fato mais desejado e esperado iria ocorrer
O atrito dos seus lábios pareceu algo surreal
E assim será até o dia em que um deles morrer


Claudia Fernandes



7 de junho de 2007
Related Posts with Thumbnails